* texto originalmente escrito para a roda de conversa sobre Deusas Negras no evento “Noite Trívia: Celebrando Hécate”

 O que são Deusas Negras?

Chamamos de Deusas Negras as Deusas que representam a face escura da Deusa.

Normalmente a Deusa é representada no aspecto Jovem, mãe e anciã e está relacionada à aspectos da natureza como a fertilidade, a maternidade, a criação e os inicios e finais de ciclos de uma forma geral.

Acontece que a natureza se sustenta em eterno “balanço”, Yin e Yang, Ordem e Caos, Vida e Morte. E não é diferente com os aspectos da Deusa.

As divindades, e neste caso aqui vamos focar na Deusa, representam esses aspectos da natureza e da vida humana de forma geral em seus mitos. O mito é um artificio utilizado para que possamos compreender aspectos da nossa natureza e da nossa cultura, de forma geral.

Assim, além das representações normalmente relacionadas à Deusa, temos também representações dos aspectos mais sombrios da Deusa, como a relação com a morte, destruição, caos, mistério, desejo, sexo e até mesmo vingança.

É importante fazer um parêntese aqui sobre o motivo de considerarmos esses aspectos “sombrios”. Como vivemos em uma sociedade que tem uma construção moral que é judaico-cristã sabemos que esses aspectos foram historicamente marginalizados, tradados como “não desejados”, ruins e contra o que era correto para uma pessoa “de bem”.

No princípio do culto aos Deuses, eles eram cultuados em seus aspectos relacionados, completos, considerando a dualidade da sua natureza. A maioria dos Deuses tem uma face de luz e outra face de sombras e é isso que devemos compreender quando falamos de Deusas Negras, que até mesmo elas possuem algum aspecto relacionado ao que chamamos de “face clara”, pois é tudo uma questão de balanço.

Com o resgate da espiritualidade da Deusa e o retorno ao culto dos Deuses antigos algumas divindades foram elencadas e cultuados principalmente pelo seu aspecto negro, que muitas vezes é relacionado com essa quebra de paradigma relacionado aos valores judaico-cristãos.

Neste sentido, Deusas cujo os seus mitos estavam majoritariamente relacionados aos aspectos sombrios da natureza e que rompiam com esses valores de dominação da religião patriarcal foram denominadas Deusas Negras.

Essas Deusas podem ser relacionadas à Lua Nova, a face oculta, ao mistério, ao resgate da natureza em sua forma mais bruta e selvagem. São Deusas de imenso poder de transformação e que muitas vezes são o primeiro contato de pessoas que buscam o retorno ao chamado da Deusa.

 

Por que nos sentimos atraídos pelas Deusas  Negras?

Acredito que a busca pelos aspectos das Deusas Negras seja um grito de liberdade em relação à opressão que a sociedade cristã e patriarcal impõe nas relações humanas.

Por muito tempo fomos, enquanto sociedade, a sermos calmos e servis, e as Deusas Negras são o oposto disso. Nos apoiamos nos aspectos da Deusa que acreditamos faltar em nós mesmos. Assim buscamos criar pontos de referência desses aspectos na nossa vida a partir do culto à essas Deusas.

O culto às Deusas Negras é uma forma de aceitação dos seus aspectos em nós mesmos e nas situações que nos rodeiam. Além da relação das Deusas com o desejo, mistério e sexualidade, essas Deusas são relacionadas ao caos e destruição, mas não pura e simplesmente para destruir, mas é uma destruição para construir algo depois.

As Deusas Negras são relacionadas aos finais de ciclos, que é algo que atualmente temos muito problema de aceitar. Vivemos em uma sociedade que busca o perfeito, o eterno, o bonito, e esqueceu que é necessário viver o imperfeito, o fugaz e o feio para que a vida flua de forma equilibrada. As Deusas Negras nos ensinam que é necessário o caos para que exista a ordem, a morte para que haja a vida e isso está presente em seus diversos aspectos.

 

Exemplo de Deusas Negras e seus aspectos

Cailleach: aquela que traz o inverno. Mergulhe dentro do seu interior, se permita conhecer. Assim como a natureza se recolhe no inverno, para mostrar sua beleza na primavera.

Coatlicue: a mãe morte da criação/destruição. A vida é composta de ciclos, compreenda os seus.  Recrie.

Ereshkigal: a rainha do submundo. É necessário passar por momentos difíceis, eles sempre tem algo nos ensinar. Regenere.

Hell: a guardiã dos mundos inferiores. Um choro liberta o interior de uma prisão. Reconheça suas fraquezas, lapide-as e se torne um ser forte e revigorado. Renovasse.

Kali: aquela que destrói para reconstruir.  Se afaste de tudo o que não é verdadeiro, de tudo o que é ilusório. Sempre busque conhecimento, pois com ele reconhecerá o que precisa ser feito. Não alimente sentimentos limitantes.

Morrigu: a senhora das transições. Mesmo nos momentos de mudanças, seja pela morte de um familiar, seja pela perda de um emprego, por um acidente, ou por qualquer tipo de perda ou fim, precisamos buscar pela força necessária para regenerarmos desse ciclo. Sempre tenha força e coragem.

 Sekhmet: o fogo do deserto. Medite sobre seus aspectos de luz e sombras e elimine o que não de faz bem. Mantenha o uso equilibrado do poder, seja independente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s